Recibos Verdes

1

Recibos verdes, quem já não ouviu falar deles ou mesmo já teve necessidade de trabalhar com eles, veja aqui que medidas foram então introduzidas. Durante este ano de 2013, muito se fala em austeridade para a generalidade dos Portugueses, como o aumento generalizado da carga fiscal e a perda de rendimentos, a que cada um está sujeito, seja funcionário do sector privado ao mesmo público. Para os trabalhadores independentes e que trabalham a recibos verdes as alterações são significativas e devem ser tomadas em conta, uma vez que podem reduzir o seu rendimento disponível, resta saber e esclarecer que medidas e como elas afetam ou não então esses trabalhadores.

Recibos Verdes

Já foi abordado aqui no Emprego Dinheiro, outros temas relacionados, que podem ser consultados nestes artigos abaixo;

Pode receber todos os artigos através da nossa Newsletter.

Alterações introduzidas nos recibos verdes;

Os recibos verdes ficam sujeitos a uma maior carga fiscal, ou seja até 2012 o fisco levava em conta 30% do rendimento anual dos trabalhadores independentes, considerado como despesa e os 70% restantes eram passiveis de pagamento de imposto. Mas desde do inico de 2013 que os 70% sujeitos a imposto, passou para 75%. Mas como mal não vem só, como diz o ditado, ou seja a retenção na fonte a que os trabalhadores independentes ficam sujeitos também é mais elevada para este ano, passando de 21,5% para os atuais 25%.

Estas medidas foram implementadas pelo governo como reflexo das alterações dos escalões de IRS e os efeitos da sobretaxa de IRS. Sobre a sobretaxa que atualmente está a ser muito discutida pelo governo e pelos pensionistas, também os trabalhadores independentes a recibos verdes, estão sujeitos ao pagamento da sobretaxa de IRS de 3,5%, com acertos a serem feitos na entrega da declaração de IRS para o próximo ano. E não é que os recibos verdes tiveram direito a mudança de nome também, passam a chamar-se (faturas-recibo), e passam automaticamente a ser intitulados como faturas eletrónicas.

Esta mudança não comporta quaisquer custos e os procedimentos relacionados com a sua emissão são os mesmos. No pacote destas medidas é de assinalar uma pretensão há muito requerida pelos trabalhadores independentes ou seja o acesso ao subsídio de desemprego já este ano. Esta medida só é considerada para aqueles que recebem mais de 80% dos seus rendimentos através da mesma empresa, estar inscritos no centro de emprego da sua área de residência, a perda do posto de trabalho não pode ter partido da vontade do trabalhador, os trabalhadores devem possuir 720 dias de contribuições. Estas medidas visam por parte da tutela colocar ordem neste setor e combater os falsos recibos verdes e tornar mais clara esta situação destes profissionais liberais.

Não perca a oportunidade de assim aproveitar e beneficiar destas orientações sobre recibos verdes. Transmita-nos as suas opiniões! Partilhe este artigo, ou deixe um comentário, sobre a sua experiência sobre recibos verdes.

Veja Também:

1 Comentário

  1. Vasco Palma Diz

    Bom dia:A minha questão divide-se em duas.A primeira é que fechei uma actividade há 8 anos em virtude de ter começado a trabalhar por conta de outrém,sucede que a empresa fechou e estive 5 anos desempregado,agora irei ter um trabalho em part-time,mas a recibos verdes,por isso pergunto:abro nova actividade ou reabro a antiga?Caso reabra a antiga,perco a isenção de um ano de descontos para a Segurança Social ou não?!Posso abrir nova actividade ou não?Lembro que a actividade foi encerrada pelas Finanças,em virtude de já não haver movimento da mesma.
    A segunda parte da pergunta:Li na Net,que se eu passar um recibo verde de 300€,desconto para a Segurança Social/mês,62€+-,se eu passar um recibo verde no valor de 290€,já não desconto nada,é verdade isto?!Até que valor estarei isento de descontos para a Segurança Social,visto o serviço ser em part-time?Obrigado e bom fim de semana!

Deixar Resposta